American Wood Fibers inaugura nova fábrica

American Wood Fibers inaugura nova fábrica

Os pellets de madeira combustível, material para camas de animais e grades industriais para farinha de madeira enviam uma mensagem alta e clara sobre a troca contínua de bens e serviços: o comércio pode diminuir, mas há sempre fluxo. A American Wood Fibers (AWF), sediada em Columbia, MD, está concluindo a instalação de equipamentos em uma nova fábrica em Marion, VA. Ao contrário de suas oito instalações irmãs, a planta Marion vai fabricar linhas AWF de três produtos.

Recentemente, Rashid Shakir, diretor de engenharia da AWF, tem passado seu tempo na fábrica de Marion. Ele está supervisionando o arranque da nova planta, que inclui a realização de testes e a afinação de novas máquinas. É um processo que Rashid conhece bem, uma vez que trabalha na AWF há mais de 29 anos. Para operar em duas décadas, a AWF se baseou na Premier Tech - Grupo de Equipamentos Industriais (IEG), que fica em Rivière-du-Loup, Quebec, para automatizar os seus sistemas de ensacamento e paletização. A AWF utiliza equipamentos do IEG em todas suas fábricas. Consequentemente, Rashid é bom entendedor sobre o mesmo e interagiu com o pessoal da empresa com freqüência ao longo dos anos. "Trabalhamos há cerca de 15 anos com a Premier Tech", disse Rashid. Em Marion, as operações para a produção de material para camas de animais estavam ativas e operantes no início de novembro, e se esperava que as linhas de produção de farinha de madeira estivessem totalmente operacionais antes do final do mês. Operações para a produção de péletes de madeira, também estariam em funcionamento brevemente.

As origens da AWF remontam a 1966. As operações da empresa se baseiam no "aproveitamento total de resíduos de madeira", nas palavras do fundador Frank Faehner. Localizar suas operações junto de fontes abundantes de fibra de madeira tem sido uma estratégia comercial. Consequentemente, a AWF mudou alguns locais ao longo dos anos. Por exemplo, uma fábrica em Sugar Grove, VA, está a ser eliminada enquanto a planta Marion entra em serviço. "Somos uma empresa de fabrico pós-industrial de resíduos de madeira, que transformamos em produto utilizável", explicou Rashid. A idéia é retirar fibras de resíduos de madeira que são um problema para uma empresa, tais como pedaços de madeira, aparas ou serradura de uma fábrica secundária, e agregar valor a eles.

Ter confiança em um fornecedor é importante. Rashid disse que o relacionamento da AWF com o IEG é muito bom. "Gostamos deles por muitas razões", disse ele. "Eles são pessoas muito profissionais. Acompanham o seu produto. Eu tenho um ótimo relacionamento com sua equipe de engenharia, sua equipe de vendas e até mesmo sua equipa de gestão. " A reciprocidade define a relação comercial de longa data entre a AWF e o IEG. "Nós damos a eles algumas idéias de melhoria", disse Rashid, e o IEG sempre respondeu positivamente a esse tipo de investimento.

Na fábrica de Marion, a AWF está colocando em serviço três sistemas principais de máquinas IEG. Um deles é um sistema de enfardamento Série VP-400. "Toma material para camas de animais e o comprime numa sacola de poliéster, o sela, e então este fardo comprimido de material de cama para animais é manualmente empilhado sobre um pallet", disse Rashid. O sistema VP-400 Series de enfardamento é projetado para executar embalagem de compressão. Para fins genéricos, é às vezes chamado de "prensa enfardadeira de empacotamento", disse Rashid. O segundo sistema IEG na fábrica de Marion é um formulário, ensacadeira forma, enche e sela (FFS), um sistema que ensaca os pellets com peso exato. "Ele tem duas balanças integradas", explicou Rashid, para garantir que os sacos são enchidos com o peso correto. O sistema FFS faz um saco de plástico a partir de um rolo de película, enche o saco, o sela e em seguida o transporta através de um sistema de verificação de pesagem e, finalmente, para o paletizador automático. A nova fábrica também tem uma paletizadora AP-425 totalmente automatizada em uso. O sistema paletiza sacos de 18 quilos de pellets de combustível de madeira em uma única unidade de carga sobre um pallet. Empilha os sacos em dez camadas sobre o pallet, cinco sacos em uma camada. O IEG AP-425, depois de carregar os pallets, os transfere para a Plastificadora de invólucro elástico, que aplica um invólucro elástico que cobre e sela a unidade de carga. Isso ajuda a estabilizar a carga e proporciona a proteção suplementar do produto para o armazenamento externo.

O IEG oferece uma gama completa de soluções de pesagem e empacotamento. Dosagem, ensacamento em sacos soltos (ensacamento FFS, ensacamento de boca aberta, ensacamento por válvula e ensacamento FIBC) e sistemas de fixação de carga estão em sua lista, ao lado do ensacamento de compressão e da paletização. Além disso, o IEG fornece equipamentos de triagem e mistura, sistemas de processamento de dados industriais, assim como a preparação de campo e soluções de colheita de turfa. O IEG também oferece uma ampla gama de opções e recursos para sacos. Os sacos da Série FFS podem ser complementados com alças, fechos, selos de canto e outras características fáceis de usar.

A longa associação entre o IEG e a AWF tem sido positiva, disse Rashid. "Eles são muito cooperantes", disse ele. O pessoal do IEG é prestativo quando surgem questões e oferece um serviço sólido para manter os sistemas funcionando, ele disse. Esse tipo de cooperação é importante porque a AWF tem um objetivo global, disse Rashid. "Nós entregamos o que o cliente quer." A AWF requer que um fornecedor como o IEG responda às suas necessidades específicas de responsabilidade e desempenho, e entendeu que o IEG é esse tipo de fornecedor.

Versão modificada do artigo da revista Timberline por Diane M. Calabrese, Março de 2009