Voltar para o início do blog

Almeida Martins: a amizade está em primeiro lugar

9 fevereiro 2016

Almeida Martins: a amizade está em primeiro lugar

Há uns poucos anos a América Latina tem experimentado um enorme crescimento em numerosas indústrias de manufatura. Com a sua mítica cultura e sua situação econômica definida pela precariedade e o crescimento, o Brasil esteve e ainda está capturando o interesse das companhias em todo o mundo.  Ao longo de novas aquisições e importantes mudanças importantes, esta é a história de Luiz, Marco e Marcello liderando a reconhecida companhia Almeida Martins.





DESDE A UNIVERSIDADE AOS NEGÓCIOS

A Almeida Martins, uma companhia brasileira especialista em manobra de material e ensacamento robótico que está localizada em Jundiaí, a aproximadamente 60 km ao norte de São Paulo, tem sido dirigida totalmente pelos três colegas da universidade nos últimos 15 anos.  De fato, Luiz, Marcello e Marco se conheceram enquanto estudavam engenharia em São Paulo e têm permanecido como amigos muito próximos desde então. Logo após a graduação da universidade em 1988, todos os três foram contratados pelo gigante da indústria, a KHS, uma companhia alemã que fabrica equipamentos para a indústria de bebidas, como parte dos seus planos de mega-expansão para crescer no mercado brasileiro.

Embora tenham crescido bastante, no começo dos anos 90 a situação que vivia a KHS naquele tempo mudou e assim é como a Almeida Martins foi formada pelo Sr. Almeida e o Sr. Martins. A Almeida Martins rapidamente se tornou uma importante subempreiteira da KHS na fabricação e instalação de equipamentos para manobra de material e esteiras de transporte.  Assim é como tudo começou em 1993. Luiz foi o primeiro dos três a se unir à equipe da Almeida Martins em 1994, logo Marco foi em 1995 e, por último, Marcello em 1997.  Por aquela experiência e também pela afinidade entre si eles decidiram construir algo juntos.  Os três têm liderado esta equipe talentosa de 50 oficialmente desde 2002, quando a aquisição da entidade se tornou uma realidade.  Cada um deles tem um papel diferente no negócio, complementando um ao outro.  Como Diretor Comercial, Marco é responsável das vendas e o desenvolvimento.  Luiz, como Diretor Administrativo, gerencia as finanças, os recursos humanos e o departamento de compras.  Por sua vez, Marcello, o Diretor Industrial, lidera as unidades de engenharia e produção.


RAÍZES SÓLIDAS: FORTE CRESCIMENTO

Ao trabalhar em muitos mercados de produção, tais como alimentação, bebidas, químicos, industrial, automotor, farmacêutico, agricultura e muitos outros, a Almeida Martins tem raízes sólidas na área da LATAM. “O mercado tem sempre sido muito estável e confiável para nós e a nossa companhia. Trabalhamos muito com clientes cativos, garantindo o futuro da companhia ainda mais”, diz Marco.

A Almeida Martins obteve um forte crescimento na última década, especialmente quando decidiram se aventurar na robótica.  Durante este movimento, o negócio passou por uma transformação importante desde a construção de máquinas para um fornecedor de soluções.  Esta marcou uma diferença importante e, ao mesmo tempo, foi um encaixe direto com aquilo que a PTC representa.  Além disso, muitas outras sinergias foram descobertas -  a mais importante delas foi que a Almeida Martins era uma Integradora de Robótica da FANUC, muito provavelmente a maior do Brasil na indústria de ensacamento.

A Premier Tech Chronos tem procurado entrado no mercado da América do Sul desde 2010, quando começou a procura pelo parceiro correto.  Levou à PTC mais de três anos e meio para encontrar o grupo correto, um que tivesse “disposição para jogar” e escutar o plano e visão estratégica da PTC – e logo ver se poderia haver um bom encaixe.  Em 23 de fevereiro, 2015 a PTC oficialmente adquiriu os ativos da Almeida Martins.


UNIÃO DE FORÇAS

A PTC tem garantido um acordo a longo prazo com todos os três ex-proprietários para seguir à frente e construir sua presença na América Latina, e localmente no Brasil, onde esta única economia contabiliza aproximadamente metade do potencial mercado latino-americano. Agora a PTC tem uma sólida marca no Brasil e um forte plano de desenvolvimento e ambições.  “O nome da PTC é realmente forte no Brasil”, diz Marco, após somente uns poucos meses juntos.  “Especialmente na indústria de ensacadoras – é incrível ver como as companhias desejam aquela marca nas suas instalações de produção”, ele adiciona.  Todos os três sentem que o plano de desenvolvimento será operativo nos próximos anos posto que o potencial de crescimento está aí, especialmente quando a variedade do portfolio de produtos da PTC seja adicionada a esta mistura.  “As ambições são enormes, mas o potencial certamente está aí”, eles dizem.

Artigo seguinte