Voltar para o início do blog

FAZENDO NEGÓCIOS EM UM MERCADO ÚNICO

26 julho 2017

FAZENDO NEGÓCIOS EM UM MERCADO ÚNICO

A China é reconhecida como um dos países mais poderosos no mundo por muitas décadas, em termos de sua economia e de sua força de trabalho de manufatura. No entanto, com as mudanças dos anos passados, a China está enfrentando novos desafios. A segunda economia principal do mundo já não possui de fato o recurso da manufatura de baixo custo. A sua demografia que muda rapidamente, o aumento de sua renda per capita e o crescimento do gasto per capita mudam o retrato deste país único.  Devido a todas estas mudanças, a pergunta é: Como fazer negócios na China no ano 2017?

Submercados

Não é nenhum segredo que a China seja um mercado competitivo único do seu género. As empresas que desejam entrar neste mercado precisam de uma estrutura corporativa sólida e preparação melhor do que a média. Mesmo que a China seja a nação mais populosa no mundo, ela é composta por muitos mercados pequenos e únicos, onde cada um tem características específicas. É de fato uma união de sub mercados singulares definidos pela demografia divergente, bem como pelas características de sua economia e cultura. Não existe um perfil único do “cliente chinês”.

É por isso que o direcionamento de massa não é uma abordagem estratégica. Para obter resultados nos mercados chineses, você deve utilizar uma abordagem focada em um sub mercado específico. Por isso que as empresas precisam estar bem preparadas, ser flexíveis e capazes de oferecerem inovação única.

Você entende o seu cliente chinês?

Para se destacar nesta vastidão de produtos do país e entre seus clientes, as empresas devem oferecer um diferencial. Saber quais clientes considerarão seus produtos diferentes implica compreensão da pessoa com quem fala, ou mais importante ainda, quem está ouvindo que você está falando.  Verdade, isso é chave para o sucesso em qualquer lugar, mas ainda mais importante na China. A chave para entender sub mercados, e entrar neles, é contratando e desenvolvendo um time local. Afinal, quem conhece seu mercado melhor do que os chineses?

Nem só isso, mas ter pessoal local trabalhando com você na China impulsiona suas relações com clientes e o ajuda a navegar entre comportamentos culturais complexos. O sucesso neste país é relacionado diretamente as fortes relações que aumentaram com o passar o tempo. Então, se tiver interesse em estabelecer sua empresa por longo prazo na China, leve em conta que o trabalho com o pessoal local poderia ser fundamental para seu sucesso.

O que vem pela frente?

A China está iniciando uma era completamente nova na manufatura. A mão-de-obra barata e confiável dos anos anteriores já não existe mais. A integração da robótica nas linhas de produção da China agora é crítica para o sucesso. A urbanização é mais importante do que nunca e com isso uma nova geração de empregados qualificados que usam tecnologias de ponta que permitem as empresas aumentarem a eficácia da produção. Isto inclui a robótica e, no setor industrial, a crescente escassez da mão-de-obra barata está obrigando a China a implementar a robótica. O custo de mão-de-obra unitária na China agora é quase a mesma do que no Ocidente, fazendo com que seja difícil aos fabricantes com funcionários chineses perceber ganhos.

Consequentemente, para maximizar os ganhos em plantas chinesas, alguns fabricantes grandes iniciaram a automatização de suas dependências instalando equipamento robóticos para embalagem. O investimento vale a pena, especialmente nas indústrias da carne e o setor avícola. Isto acontece porque esse setor sofreu grandes mudanças nas últimas décadas, resultantes do nível de vida do país, o qual está em aumento.  Como vimos em outros países, quando a renda pessoal aumenta, também aumentam a demanda e o consumo.

A expansão rápida levou para:

O resultado da crescente demanda por carne entre a população teve um fator exponencial na produção de alimentos entre 2000 e 2010. A demanda foi tão forte durante essa década que atraiu o investimento de todo o mundo. Como resultado, as empresas chinesas se expandiram rapidamente, o que levou ao excesso de capacidade em muitas indústrias.

Após 2010, a economia chinesa enfrentou novos desafios e começou a desacelerar. A taxa de crescimento da década anterior não foi mais sustentável devido aos graves efeitos colaterais como a inflação e os problemas ambientais. Para remediar a situação, o plano do país atual “Made in China 2025” salienta a qualidade do crescimento ao invés da taxa.

Uma estratégia nova

Ao fazê-lo, a China visa promover o crescimento em toda sua economia, não só nas indústrias seletas. O país pretende cumprir com isto removendo o excesso de capacidade e reduzindo o inventário na maioria das indústrias. Para impulsionar sua nova estratégia de crescimento, a China irá se focar na centralização industrial. Isto significa que fábricas e fabricantes pequenos e/ou que produzem produtos de baixa qualidade irão desaparecendo aos poucos. Eles irão desaparecer como resultado da concorrência, a aquisição ou a ordem administrativa do mercado. Finalmente isto resultará em menor quantidade de produtores, fabricando em grande escala.

Um outro fator importante influindo no plano da China 2025 é o aumento no custo da mão-de-obra. Os funcionários mais novos que cresceram durante a explosão econômica de 2000-2010 não desejam mais se desempenharem em trabalhos repetitivos. Além dessa pressão financeira nos fabricantes, temos o ajuste das leis trabalhistas, as quais levam a necessidade de funcionários para fornecer um sistema de assistência social completo. O conjunto dessas pressões com a realidade demográfica que mostra a força de trabalho do país envelhecida, tornou-se evidente que a era dos produtos “made in China” acabou.

Em paralelo com o plano “Made in China 2025”, a China lançou o plano “Industrial 4.0”. Este último plano é focado no aumento da qualidade de produção adotando soluções ambientalmente responsáveis e com a engenharia o suficientemente inteligente para não ser prejudicada pelo erro humano. As soluções serão “verdes”, inteligentes, enxutas e integradas.

Aproveitando a automação

Contudo, apesar de todos estes desafios, as empresas ainda precisam conseguir o crescimento sustentável, o qual apresenta uma grande oportunidade para os fabricantes de equipamento. Isto é devido ao maior foco dos clientes na qualidade de seus produtos finais. Como resultado, os clientes buscarão soluções enxutas e com alta velocidade integrada a fim de conseguir alta produção e agregar valor ao custo de manufatura.

Premier Tech Chronos na China

Mais de 12,8 milhões de frangos são consumidos cada ano na China, o qual representa um mercado muito rentável. Porém, a alta produção de proteína demanda tecnologia que maximize a produção, e é por isso que a automação cumpre um papel muito importante no sucesso das empresas chinesas. A adoção da automação pelos setores da carne e avícola é apenas um exemplo de como as indústrias estão evoluindo na China, e indica que outros setores irão adotar a automação no futuro próximo.

A partir de 2010, a Premier Tech Chronos teve presença na China. Com um time localizado diretamente em Changshu e em parceria com o pessoal correto, nós recebemos informações importantes sobre a exclusividade deste mercado. Temos muito prazer em apresentá-los para vocês.

Artigo seguinte