A nova ensacadeira robótica abre novas grandes oportunidades de produtividade para exportadores de soja

A nova ensacadeira robótica abre novas grandes oportunidades de produtividade para exportadores de soja

A humilde soja geralmente tem sido reconhecida ao longo dos últimos 4.000 anos como um alimento básico fundamental e ingrediente medicinal na Ásia, mas só recentemente foi amplamente adotado pelo resto do mundo como uma leguminosa saborosa contendo um valor incrivelmente nutritivo para o consumo humano. Largamente utilizada hoje na sua forma de vagens verdes de edamame, pacotes de salgados de molho de soja, tofu macio e mole, natto fermentado rico em proteínas, bebidas de soja doces e aveludadas, pastas de miso saborosas ou simplesmente como feijão de soja crocante, sua versatilidade não fica atrás de nenhuma outra em relação à produção alimentar contemporânea. Embora a soja tenha sido apresentada pela primeira vez aos agricultores americanos já em 1765, o Canadá não teve cultivo da soja em seu território até 1855. Mas apesar de sua adesão relativamente tardia, o Canadá se tornou um interveniente importante no cultivo de soja destinada à alimentação para o mercado asiático, com a empresa particular SG Ceresco Inc. ajudando a liderar o caminho .

Com sede situada no distrito de Saint-Urbain-Premier, ao longo da costa sul de Montreal, a Ceresco emprega mais de 70 pessoas para manusear, armazenar e empacotar quantidades enormes de soja expedida a granel a partir de cerca de 450 produtores de soja no Quebeque, colhendo coletivamente milhares de hectares de campos de flores púrpura.

"Nós não somos agricultores especificamente de soja, e nós não a processamos", explica o diretor de operações Manuel Gendron. "Após recebermos a soja colhida, selecionamos o produto, o que chamamos de condicionamento, armazenamos e depois o embalamos e distribuimos aos nossos clientes que mais tarde o processarão." Fundada pela família Gripon em 1981 com a compra de uma fazenda de 100 hectares, a empresa originalmente usou equipamentos para a limpeza do grão existentes na fazenda para atender às necessidades de alguns produtores locais envolvidos no cultivo de aveia, cevada e soja.

Em 1988, a Semences Gripon começou a vender seus grãos de soja limpos aos clientes europeus e em 1990 começou a expedir para a Ásia com um carregamento inicial de 50 contentores, totalizando mais de 1.000 toneladas de soja para novos clientes em Hong Kong, Malásia e Cingapura.

Crescimento Precoce

"Em 1993, a empresa fez alguns investimentos importantes, com a construção de silos de armazenagem e armazéns e a aquisição de uma segunda linha de condicionamento de soja", lembra Gendron. "Em seguida, adquiriu os direitos comerciais da variedade de soja Colibri para natto e em 1996 havia assumido a liderança nas exportações para o Japão de soja destinada ao consumo humano."

Depois de mudar seu nome para Ceresco em 2001, em homenagem à deusa mitológica romana da colheita, agricultura e fertilidade, a empresa atravessou um crescimento incrível durante a década seguinte, estabelecendo seu próprio centro de pesquisa em Saint-Urbain-Premier com mais de 500 hectares de terra fértil na região Montérégie da província do Quebeque. Gendron diz que 100 por cento da soja Ceresco é não-OGM (organismo geneticamente modificado), sendo 40 por cento variedades da assim chamada identidade Preservada (IP) e o restante variedades convencionais ou variedades IP de outras empresas de sementes.

Todos os grãos de soja Ceresco são produzidos principalmente para os mercados de consumo humano na Ásia, Europa e América do Norte, acrescenta. "Cerca de 60 por cento do nosso volume é vendido para o Japão — temos um escritório de vendas em Yokohama — com um adicional de 20 por cento para o resto da Ásia.

"A Europa representa 10 por cento, sendo os restantes 10 por cento distribuídos a clientes nos EUA e Canadá", declarou Gendron à revista Canadian Packaging durante uma recente visita à sua instalação de 25.000 metros quadrados ostentando quatro pisos de triagem de plantas e 30.000 toneladas de capacidade de armazenamento em silo.

"Estamos atualmente desenvolvendo nosso alcance de mercado na China e na Europa — duas áreas que sentimos que têm grande potencial para nós", acrescenta. Ao estabelecer os mais elevados padrões de qualidade na indústria, Ceresco adquiriu uma reputação mundial de excelência que tem ajudado a atrair e reter clientes de processamento de alta qualidade, segundo Gendron. Graças à pureza e grande variedade de suas sementes, medidas rigorosas de controle de qualidade, rastreio meticuloso de soja e atendimento imediato ao cliente, a Ceresco se tornou hoje sinônimo de comércio com qualidade premium em grãos de soja, comercializando hoje mais de 15 variedades de soja, cada uma com diferentes níveis de características tais como proteínas, óleos, tamanho, etc.

Coma riqueza

"A soja é um dos alimentos naturais mais ricos do planeta", começa Gendron. "Ela contém uma grande quantidade de proteínas, hidratos de carbono, lípidos, vitaminas A e B, potássio, cálcio, magnésio, zinco e ferro. "Além disso, o consumo regular de soja pode reduzir afrontamentos, distúrbios da menopausa, o desenvolvimento de problemas de osteoporose e de memória, proporcionando ainda um controlo mensurável de diabetes, uma redução da doença cardiovascular e de alguns cancros, tais como o colo-retal, da próstata e da mama" prossegue. Com tão surpreendentes benefícios de saúde atribuídos à soja, o seu consumo em todo o mundo disparou.

Embora a Ceresco produza soja para seu próprio processamento, aproximadamente 99 por cento do produto vem de outras fazendas em Quebec, sendo também algumas importadas dos EU.

"Nossa instalação de triagem está aberta todo o ano, 24 horas por dia, e é por isso que temos as grandes instalações de armazenamento em silos", explica Gendron. "Apenas paramos as operações duas semanas por ano, a fim de fazer manutenção preventiva importante em nosso equipamento, embora sejam realizadas pequenas manutenções preventivas regularmente ao longo do ano", acrescenta. Cerca de 15 por cento do produto Ceresco é embalado em sacos de papel de grau alimentício de 30 kg ou 25 kg; cinco por cento é embalado em uma tonelada métrica de sacolões; 80 por cento é embalado em contentores para granel de 6 e 12 metros, segundo Gendron. "O papel se tornou nosso material de escolha para os sacos menores, uma vez que nossos principais clientes no Japão não podem eliminar ou reciclar sacos de plástico a menos que paguem uma taxa", menciona Gendron, acrescentando que a Gelpac Inc. de Marieville , Quebec, tem sido por muitos anos um fornecedor admirável dos sacos resistentes de três e quatro camadas que a Ceresco utiliza, dependendo do cliente. Para ajudar a Ceresco existe uma nova linha de ensacamento totalmente automatizada adquirida através da Premier Tech Chronos, líder internacional no desenvolvimento de equipamentos de alta tecnologia para embalagem de sacos baseada em Rivière-du-Loup, Quebec. "Com 15 por cento do produto sendo empacotado em sacos, temos vindo a utilizar uma balança e paletizadora automática desde 2000, mas com o aumento contínuo do volume de vendas e nosso esperado aumento no volume de vendas tivemos que comprar uma nova balança, ensacadeira, costuradora, e equipamentos de paletização e etiquetagem que fossem mais eficientes", relata Gendron.

"Nós olhamos ao redor, mas a escolha quase desde o início foi surpreendentemente simples: compramos uma linha completa da Premier Tech, porque eles têm o melhor equipamento." Instalada em junho de 2011, a linha Premier Tech permitiu à Ceresco alcançar taxas de transferência muito mais rápidas, confidencia Gendron. Considerando que a linha antiga conseguia apenas produzir cerca de seis a sete sacos por minuto, a nova linha basicamente duplicou a saída, proporcionando ao mesmo tempo um pacote com melhor qualidade final, e a poupança de alguns dólares pelo caminho. A ensacadeira de boca aberta PTH-920 proporciona uma solução única para usuários como a Ceresco, segundo a Premier Tech. Projetado especificamente paramateriais de livre fluxo como os grãos de soja, funciona igualmente bem com sacos laminados de polipropileno, polietileno e de papel. Embora a PTH-920 em si seja uma máquina semi-automática, a Ceresco automatizou-a totalmente com o ANDY da Premier Tech, uma unidade robótica de transferência com patente pendente que ajuda a aumentar a velocidade global da linha de produção até 20 sacos por minuto, dependendo do tamanho dos sacos.

"Estamos muito orgulhosos do nosso ANDY", revela Gendron. "Somos também uma das primeiras empresas no mundo a utilizar esta tecnologia, o que certamente tornou a nossa linha de produção mais rápida, mais precisa e mais confiável, com necessidade de manutenção mínima.

"Agora podemos fazer até 16 sacos por minuto, o que aumenta a flexibilidade da nossa carga." Ele acrescenta: "Também melhorámos a qualidade de nosso ensacamento, sendo que esta máquina tem ajudado a melhorar a eficiência da costuradora que sela o saco."

Fazer Sentido

Observando que a ensacadeira vem com um sensor que detecta as imperfeições dos sacos e de costura, Gendron diz que a ensacadeira é muito fácil de manusear para os empregados, tornando a resolução de problemas mais fácil e mais rara, uma vez que os ajustes externos para diferentes larguras e comprimentos podem ser realizados facilmente com um tempo de inatividade mínimo.

"Juntamente com o fato de a ensacadeira ter uma capacidade para armazenar até 250 sacos de cada vez, gosto que ela tenha um sistema de deteção de bolsa no bico, o que ajuda a evitar o derramamento de grãos de soja para o chão", diz Gendron. "São pequenas coisas que ajudam a fazer dela uma grande máquina para nós."

Gendron diz que a Ceresco escolheu a Premier Tech depois de ir à feira de comércioPack Expo International 2010em Chicago para comparar equipamentos similares. "Depois de conversarmos com nossos fornecedores, todos eles mencionaram a Premier Tech," diz Gendron. "E depois de conversar com a Premier Tech, minha impressão era que de eles eram os únicos que nos perguntaram nossas necessidades específicas. Isso foi muito importante para nós." Desde o início do processo de compra, as equipes de projeto, manutenção e produção da Ceresco interagiram com a equipe técnica da Premier Tech para assegurar que as suas necessidades eram totalmente compreendidas, e que as limitações do equipamento podiam ser explicadas a eles muito antes da questão do preço ser levantada. "O representante da Premier Tech foi também minucioso em seus fatos, o que eu aprecio muito", observa Gendron. Embora a qualidade e o preço também tenham sido um fator na decisão de compra da Premier Tech, Gendron diz que agir a nível local também desempenhou um grande papel na decisão.

"Uma vez que estamos em Quebec, queríamos uma tela automática na língua francesa, algo que era uma dificuldade com outros fornecedores", explica Gendron, acrescentando que a Ceresco não queria uma linha fabricada à medida que viesse com problemas para resolver.

"Quando você investe dinheiro em equipamentos, estes têm que ser confiáveis."

Após o condicionamento da soja, o produto é cuidadosamente medido em incrementos de 30 kg em uma balança de pesagem líquida Premier Tech Chronos